Pós-Emancipação em Perspectiva Comparada: Cidadania, Trabalho e Raça nos Estados Unidos, Caribe e Brasil

Ementa:
A emancipação dos escravos nas Américas ao longo do séc. XIX trouxe complexos desafios para a reconstrução de várias sociedades pós-escravistas. Não foi um processo histórico desconectado ou tão somente articulado com narrativas de determinadas nações , como algumas perspectivas historiográficas salientam. O ambiente das ideias suas conexões entre expectativas, desejos, medos) ser á também objeto de nossas análises.
Pensar tal processo histórico numa perspectiva comparada –Brasil, Caribe e Estados Unidos — é a principal proposta deste curso. Como os sentidos e significados de trabalho, família, prosperidade e cidadania se intercruzavam com as ideias de raça e as operações das políticas públicas de ordem, poder e disciplina? Como nações e espaços pós-coloniais foram reinventados na ambiência e período do pós-emancipação?

Dentre os desafios sublinhamos a regulamentação do trabalho, os limites à autonomia das formas camponesas, a acomodação de conflitos políticos e sociais, a extensão da cidadania, a moralização dos costumes e os embates que adquirem não raro a forma de enfrentamentos raciais com impactos sobre os sentidos de cidadania, trabalho e liberdade . Avaliamos inicialmente como uma dada historiografia clássica do pós-abolição – especialmente no Brasil — se constituiu orientada pelo legado do fenômeno da escravidão, não raro com forte víeis moral.

Esse é o caso de alguns importantes estudos clássicos que pioneiramente enfrentaram o contexto do pós-emancipação tentando responder às questões referidas à escravidão. Mesmo com o incremento de importantes pesquisas, há ainda questões abertas quanto à definição de campos de estudos sobre o pós-emancipação no Brasil em termos de temporalidade, espaço, epistemologia e recorte historiográfico transversal. Um desafio possível seria analisar em que medida uma dada historiografia sobre o pós- emancipação é capaz de promover uma reflexão mais autônoma cuja ênfase encontre-se mais nas questões dirigidas às fontes do que em um diálogo direto e obsessivo com a escravidão.

Como definir a temporalidade do pós-emancipação no Brasil e em outros lugares das Américas? De que modo tanto os estudos clássicos quanto os atuais sobre Brasil, Caribe e EUA nos garante a possibilidade de explorar temas, usos de fontes e horizontes teóricos afins? O que há de comum ou de particular, especifico na comparação desses casos? Enfim, o curso propõe uma reflexão sobre o pós- emancipação, destacando questões que nos permitam analisá-lo nos seus próprios termos e, ao mesmo tempo, explorar as implicações historiográficas desse campo em perspectiva comparada.

 

Bibliografia Geral (incompleto):

Albuquerque, Wlamyra Ribeiro de. O Jogo da Dissimulaço. Abolição e cidadania negra no Brasil . São Paulo, Companhia das Letras, 2009

Andrews, George Reid, Negros e Brancos em São Paulo. Bauru: Edusc, 1999

Azevedo, Célia Maria Marinho de. OndaNegra, Medo Branco. O Negro no Imaginário das Elites, Século XIX .(2ª ed.). São Paulo, AnnaBlume, 2004.

Azevedo, Celia Marinho. Abolicionismo. Estados Unidos e Brasil, uma história comparada (século XIX). São Paulo, Anna Blume, 2003

Badaró, Mattos, Marcelo Badaró. Escravizados e livres: experiências comuns na formação da classe trabalhadora carioca . Rio de Janeiro, Bom Texto, 2008

Badaró, Mattos, Marcelo Badaró. “Trajetórias entre fronteiras: o fim da escravidão e o fazer-se da classe trabalhadora no Rio de Janeiro”. Mundos do Trabalho , volume 1, 2009, pp. 51-64

Chalhoub, Sidney. “Precariedade estrutural: o problema da liberdade no Brasil escravista (século XIX)”. História Social (UNICAMP) , volume 19, 2010, pp. 33-69

Conrad, Robert. Os Últimos Anos da Escravatura no Brasil, 1850-1888 . Rio de Janeiro, CivilizaçoBrasileira/INL, 1975.

COOPER, Frederick, Holt, Thomas C.; Scott, Rebecca J. Beyond Slavery.Explorations of Race, Labor, and Citizenship in Postemancipation Societies. Chapel Hill and London: the University of North Carolina Press, 2000.

Cunha, Olívia e Gomes, Flávio (orgs.), Quase-Cidadãos. Histórias e antropologia do pós-emancipação no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2007

Dean, Warren. Rio Claro. Um Sistema brasileiro de Grande Lavoura, 1820-1920 . Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1977

DU BOIS, W.E.B. As Almas da Gente Negra. Rio de Janeiro: Lacerda Editores, 1999.

Eisenberg, Peter L. Modernização Sem Mudança; a indústria açucareira em Pernanbuco, 1840-1910 . Rio de Janeiro, Paz e Terra, Campinas, Unicamp, 1977

Ferreira, Lígia, Com a Palavra : Luiz Gama . São Paulo: Imprensa Oficial, 2011.

FIELDS, Barbara. “Slavery, Race and Ideology in the United States of America”

Fraga Filho, Walter . Encruzilhadas da Liberdade: histórias de escravos e libertos na Bahia (1870-1910) . São Paulo, Editora da UNICAMP, 2006

HOLT, Thomas C. The Problem of Freedom: Race, Labor, and Politics in Jamaica and Britain, 1832-1938 Baltimore and London: Johns Hopkins University Press, 1992.

HOLT, Thomas. “Explaining Racism in American History”. In MOLHO, A. and WOOD, Gordon (eds), Imagine Histories: American Historians Interpret the Past . Lamounier, Maria Lúcia. Da escravidãoaotrabalholivre: a lei de locação de serviços de 1879 . Campinas, Papirus, 1988

Lima, Henrique Espada. “Sob o domínio da precariedade: Escravidão e os significados da liberdade de trabalho no século XIX”. Topoi , UFRJ, Rio de Janeiro, volume 6, número 11, 2005, pp. 289-325

Lima, Henrique Espada. “Trabalho e lei para os libertos na Ilha de Santa Catarina no século XIX: arranjos e contratos entre a autonomia e a domesticidade”. Cadernos Arquivo Edgard Leuenroth (UNICAMP) , volume 14, 2009, pp. 133-175

Mattos, Hebe & Rios, Ana Lugão. “O pós-abolição como problema histórico: balanços e perspectivas”. Topoi (Rio de Janeiro), Rio de Janeiro, v. 5, p. 170- 198, 2004

Mattos, Hebe M. Das Cores do Silêncio: os significados da liberdade no Sudeste escravista, Brasil, Século XIX . Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1998

Mendonça, Joseli Maria Nunes. Entre a mão e os anéis. A Lei dos Sexagenários e os caminhos da Abolição no Brasil . Campinas, Editora da Unicamp, 1999

Mintz, Sidney, Caribbean Transformations , Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1974

Moreira, Paulo Roberto Staudt. Os Cativos e os Homens de Bem – Experiências Negras no Espaço urbano . Porto Alegre, Edições EST, 2003

Papali, Maria Aparecida C.R. Escravos, Libertos e Órfãos: a construção da liberdade em Taubaté (1871-1895) . São Paulo, AnnaBlume, 2003

SCOTT, Rebecca. Degrees of Freedom: Louisiana and Cuba Afte rSlavery

Silva. Lucia Helena Oliveira da. “Vivências negras depois da abolição: trabalhando com as ausências depois da Abolição”. Revista Diálogos , volume 14, 2010, pp. 557-577

Slenes, Robert W. “Senhores e Subalternos no Oeste Paulista”. In: Fernando A. Novais; Luiz Felipe de Alencastro. (Org.). Historia da Vida Privada no Brasil. Historia da Vida Privada no Brasil . São Paulo: Companhia das Letras, 1997, v. 2, p. -.

Stein, Stanley. Vassouras. Um município brasileiro do café, 1850-1900 . Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1990.