Informações sobre a entrega dos relatórios anuais

Atualizado em 22 de fevereiro de 2022.

Prezados(as) discentes,

Conforme já avisado, a data de entrega do relatório anual das atividades desempenhadas em 2021 foi fixada em 8/03. O relatório deve ser enviado para o e-mail relatorios.veteranos@gmail.com para a análise da Comissão de bolsas. Para obterem um auxílio geral na elaboração do relatório, consultem https://ppghis.historia.ufrj.br/normas/orientacoes-para-relatorios-discentes/.

Para organizar o recebimento de informações na caixa de entrada, cada um de vocês deve enviar uma única mensagem, contendo quatro arquivos.

  • Em primeiro lugar, o formulário que acompanha o relatório anual. O formulário pode ser obtido em https://ppghis.historia.ufrj.br/formularios/. O formulário deve ser salvo em um arquivo, cujo título deve conter o nome, o curso e o ano de ingresso de vocês no Programa. Exemplo: FormularioMarceloDoutorado2020.
  • O segundo arquivo será o relatório propriamente dito, organizado e composto segundo as orientações informadas, a partir da seguinte sequência: identificação, atividades acadêmicas, produção e observações relevantes. Para salvá-lo, utilizem o mesmo procedimento anterior: RelatórioMarceloDoutorado2020.
  • O terceiro arquivo corresponde aos comprovantes do relatório. Organize os comprovantes em um único arquivo, apresentando-os na mesma sequência em que aparecem as atividades do relatório. Muito importante: para serem pontuadas, todas as atividades mencionadas no relatório devem ser comprovadas. Salvem o arquivo seguindo o mesmo modelo: ComprovantesMarceloDoutorado2020.
  • O quarto arquivo corresponde ao parecer do orientador. Para salvá-lo: ParecerMarceloDoutorado2020. Os orientadores, se assim desejarem, podem optar por enviar diretamente os pareceres para o e-mail divulgado: relatorios.veteranos@gmail.com Neste caso, indique na mensagem que acompanha o relatório que seu/sua orientador/a vai enviar o parecer diretamente.

Atenciosamente,

Coordenação – PPGHIS

Homenagem ao prof. Manoel Luiz Salgado Guimarães (1952-2010)

Em 2022, o Professor Manoel Salgado faria 70 anos e há 12 anos sentimos falta de sua presença suave, elegante e culta. Manoel deixou sua marca nos inúmeros professores que formou, hoje espalhados por todo o país, e suas aulas estão na memória dos que tiveram o privilégio de assisti-las.

A importância do Prof. Manoel Salgado para o PPGHIS foi estrutural, ajudou a sedimentar o debate e a formação de historiadores comprometidos com a crítica e a reflexão sobre a escrita da História, seus desafios e percursos. Hoje certamente nos ajudaria a pensar com equilíbrio e maturidade sobre as dificuldades desses tempos tão desconcertantes que vivemos.

O PPGHIS agradece sua valiosa contribuição e lembra com saudade do longo tempo de convívio e aprendizado.

Prof. Jacqueline Herman e prof. Manoel Salgado em Portugal, 2008.

Fotos por cortesia do prof. Temístocles Cezar (UFRGS). Texto pela prof. Jacqueline Herman (PPGHIS/UFRJ), em nome dos demais docentes do Programa.

Ars Histórica 21 está online

Temos o prazer de informar que a Edição n. 21 da Revista Ars Histórica foi publicada. Após um semestre de transição, finalmente lançamos esta edição em novo site, agora na base de periódicos da UFRJ.


O link para a divulgação da Edição 21 é o seguinte: https://revistas.ufrj.br/index.php/ars/issue/view/1717
Agradecemos imensamente a colaboração de todos vocês, especialmente em um período tão complicado. Aproveitamos, por fim, para solicitar a divulgação deste novo número.
Compartilhem também nas redes sociais: 

Facebook: https://pt-br.facebook.com/RevistaArsHistorica/

Instagram: https://www.instagram.com/arshistorica/

Nosso muito obrigado, e que venham os próximos desafios!

Atenciosamente,

Luis Henrique Souza dos Santos e Eric Fagundes de Carvalho

Editor-chefe e Editor-executivo

Revista Ars Historica – PPGHIS/UFRJ

Silvia Correa e Henrique Gusmão recebem JCNE Faperj

Sílvia Correia

Henrique Buarque de Gusmão recebeu a bolsa Jovem Cientista do Nosso Estado com o projeto “Estrelas e malditos: ‘sucessos de escândalo’ e lutas de concorrência na crise do teatro brasileiro moderno dos anos 1960”, enquanto Silvia Adriana Barbosa Correia foi contemplada pela sua pesquisa: “Escrever a Guerra: um Estudo Cultural das Memórias da Experiência Portuguesa na Primeira Guerra Mundial”

Os programas CNE e JCNE destinam-se a apoiar, por meio de concorrência, projetos coordenados por pesquisadores de reconhecida liderança em sua área, com vínculo empregatício em instituições de ensino e pesquisa sediadas no Estado do Rio de Janeiro.

Entre as 33 instituições contempladas, as que receberam um maior número de bolsas foram UFRJ (215), Uerj (78), UFF (68), PUC-Rio (52), FIOCRUZ (51), UFRRJ (22), UENF (17) e UNIRIO (11), além de outras 25 instituições no Estado. As Grandes Áreas do conhecimento que receberam o maior número de bolsas no CNE e JCNE, em ordem decrescente, são: Ciências Biológicas (140), Engenharias (96), Ciências Humanas (89), Ciências Exatas e da Terra (87), Ciências da Saúde (68), Ciências Sociais Aplicadas (47), Ciências Agrárias (29) e Linguística, Letras e Artes (26).

As propostas selecionadas receberão recursos mensais por até 36 (trinta e seis) meses, visando prover apoio para o desenvolvimento de seus projetos de pesquisa. 

Brasa protesta contra decisão da Fulbright

On April 5, 2021, the Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) and the Fulbright Commission Brazil published their call for applications to the Full Doctorate Program in the USA (Edital 5/2021). Surprisingly, and unlike previous years, the Humanities and the Social Sciences were excluded from this important program. Soon afterwards, Fulbright ALUMNI issued a letter to the Fulbright Commission Brazil protesting the decision, arguing that “it is impossible not to interpret the removal of Human and Social Sciences from this funding program as yet another attack on Brazilian science and on the areas most directly linked to facing the politics of death, disinformation, extermination, and violence; marks of the current Brazilian administration.” On April 30, BRASA’s president, vice president, executive director, nine past presidents, and more than ninety scholars (most of whom have been Fulbright fellowship recipients) sent a letter to Dr. Luiz Loureiro, the Executive Director of the Fulbright Commission Brazil, endorsing the letter sent by Fulbright ALUMNI and requesting that the decision to exclude the Humanities and the Social Sciences from the Full Doctorate Program be reversed. On May 3, the Executive Director replied to BRASA’s endorsement letter saying that he had already responded to the letter sent by Fulbright ALUMNI.

BRASA was able to obtain Dr. Loureiro’s reply to the letter sent by Fulbright ALUMNI. On the one hand, the letter offers a detailed description of Fulbright Brazil programs concerning the Humanities and the Social Sciences. BRASA officials are appreciative of them all, especially the one focusing on Afro-Brazilians and indigenous peoples and the various Visiting Scholar programs. On the other hand, it was deeply disappointing to see that the Executive Director failed to address the subject of the alumni letter that BRASA endorsed. His reply offers no explanation as to the reasons why the Humanities and the Social Sciences were excluded from one of the main programs offered by Fulbright. The silence on the issue is concerning because, as is well known, the present Brazilian government has repeatedly attacked academic freedom and harassed scholars targeting mainly professors and researchers in the Humanities and the Social Sciences.