Como compor a Tese/Dissertação

RESOLUÇÃO CEPG Nº 02/2002

Com adaptações posteriores em itálico.

Dispõe sobre a formatação e demais procedimentos para a preparação de dissertações de Mestrado e teses de Doutorado na UFRJ.

Considerando a necessidade de um trabalho de dissertação de Mestrado ou tese de Doutorado ter uma apresentação com um mínimo de informações padronizadas que identifiquem o autor, o orientador, a Banca Examinadora, o Programa, a Unidade e a UFRJ;

O Conselho de Ensino para Graduados – CEPG
RESOLVE:

Da Formatação

Art. 1° – A dissertação de Mestrado ou tese de Doutorado é composta de três partes fundamentais: Pré-textual, Textual e Pós-textual.

Art.2° – A parte Pré-textual corresponde aos elementos que antecedem o texto ou corpo principal e se compõe obrigatoriamente de capa, folha de rosto, folha de aprovação, folha da ficha catalográfica, resumo em português, resumo em língua estrangeira e sumário.

§1°– A Capa deve conter o nome da Instituição, o título da dissertação de Mestrado ou da Tese de Doutorado, o autor, o ano e, na sua lombada, os seguintes elementos: o nome do autor, o título (opcional), a sigla da Unidade e da UFRJ, o ano de defesa (…). A capa é padrão e é obtida junto à Secretaria do Programa de Pós-Graduação.

§2°– A Folha de Rosto deve conter a identificação da UFRJ, o título da dissertação de Mestrado ou tese de Doutorado, o nome do autor, o nome do Programa, a indicação do nível do trabalho (Mestrado ou Doutorado), a área, o(s) nome(s) do(s) orientador(es) , o mês e o ano da defesa, conforme mostrado no Anexo-02-2019.

§3° – A Folha de Aprovação deve conter o título do trabalho, o nome do candidato, o(s) nome(s) do(s) orientador(es), os nomes dos membros da Banca Examinadora com as suas respectivas assinaturas, mês e ano da defesa, conforme mostrado no Anexo-03 – 2019.

§4° – A Ficha Catalográfica deve conter os dados que identificam o trabalho, seguindo as regras de catalogação vigentes AACR2*, conforme mostrado no Anexo 04.
*Anglo American Cataloging Rules
Para criar sua ficha catalográfica, siga as instruções da Biblioteca, Ficha Catalográfica UFRJ.

§5° – O Resumo deve constituir-se de uma apresentação concisa do texto do trabalho, com até 250 palavras, que sintetizem o seu conteúdo, sendo escrito em português, conforme apresentado no  Anexo 05.

§6° – O Resumo em língua estrangeira deve apresentar a sua versão, conforme mostrado no Anexo-06-2019.

§7° – O Sumário consiste na enumeração dos capítulos, seções, apêndices e outras partes de uma dissertação de Mestrado ou tese de Doutorado, na mesma ordem em que esses itens nele se sucedem, com a indicação das respectivas páginas.

Art. 3° – A parte Pré-textual pode ainda conter Elementos Opcionais, tais como Dedicatória, Agradecimentos, Sinopse, Resumo em outra língua que não o Português ou a língua estrangeira escolhida, Listas de Siglas e Abreviaturas, Listas de Ilustrações, de Quadros e de Tabelas. Os Elementos Opcionais (Dedicatória, Agradecimentos, Sinopse, Resumo em outra língua que não o Português ou na língua estrangeira escolhida) devem ser incluídas após a Folha de Aprovação e anteceder o Sumário. Listas de Siglas e Abreviaturas, Listas de Ilustrações, de Quadros e de Tabelas devem ser apresentadas em folha distinta, após o Sumário, e relacionados neste último.
§Único – As Listas de Ilustrações, Siglas, Abreviaturas, Quadros e Tabelas, quando existirem, devem conter as informações numa ordem pré-determinada (alfabética, numérica ou alfanumérica).

Art. 4° – A parte Textual ou corpo principal é composta de Introdução, Revisão da Literatura, Metodologia da Pesquisa, Resultados, Discussão e Conclusões. Esses itens podem aparecer isolados ou reunidos em um ou mais capítulos e devem ser preparados conforme as especificidades de cada área de conhecimento.

Art. 5° – A parte Pós-textual é composta de Referências Bibliográficas e, opcionalmente, de Anexos ou Apêndices contendo detalhamento de partes teóricas ou experimentais, cópias de trabalhos já publicados ou outras informações importantes para consubstanciar a parte Textual.

Art. 6° – Os Programas de Pós-graduação, individualmente, ou reunidos por Unidades ou grandes áreas, devem preparar as normas gerais para a elaboração da Parte Textual e Pós-textual, incluindo as formas de citação e das referências bibliográficas.

Da Apresentação Gráfica

Art. 7° – Os Programas de Pós-graduação devem estabelecer individualmente ou reunidos por Unidades ou grandes áreas em seus regulamentos as normas gerais para a apresentação gráfica dos trabalhos.

Art. 8° – Todas as folhas da parte Pré-textual, Textual e Pós-textual são contadas.

§1° – A primeira folha tanto da parte Pré-textual quanto da parte Textual, apesar de ser contada na paginação, não recebe número, adotando-se os mesmos procedimentos para com as páginas que abrem os capítulos.

§2°– As páginas da parte Pré-textual são, opcionalmente, numeradas com algarismos romanos minúsculos e as da parte Textual são numeradas com algarismos arábicos.

Do Idioma

Art. 9° – As partes Pré-textual e Textual devem ser redigidas em Português.

Este artigo foi revisto pelo CONSUNI. Solicitar informações junto à Secretaria do PPGHIS.

Das Obrigações dos Candidatos

Art. 10° – Todo o candidato ao título de mestre ou doutor, após aprovação no ato da defesa de dissertação de Mestrado ou tese de Doutorado, deve entregar, ao Programa respectivo, dois exemplares encadernados em capa oficial, na versão final, acompanhados de uma cópia em meio digital.

Das Obrigações dos Programas

Art. 11° – O Programa deve enviar um dos exemplares da dissertação de Mestrado ou da tese de Doutorado acompanhado da cópia em meio digital à biblioteca que atenda a sua Unidade e o outro exemplar e cópia em meio digital à SR-2.

§ Único – O processo de homologação do ato de defesa e emissão de diploma será iniciado após o cumprimento das condições estipuladas neste artigo.

Art.12° – A presente Resolução revoga as Resoluções CEPG nº 02/79 e nº 03/92, e entra em vigor na data de sua publicação.

Aprovada na Sessão Ordinária do CEPG de 23-08-2002.
Publicada no BUFRJ N.º 22, de 06-11-2002.

Câmara Técnica de Ética em Pesquisa

PR2 – PRÓ-REITORIA DE  PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

A Pró-Reitoria de  Pós-Graduação e Pesquisa está motivada para iniciar discussões na UFRJ em torno da questão da ética em pesquisa, uma temática atual, de suma importância que envolve temas como integridade em pesquisa, participação de seres humanos ou animais em pesquisa, patrimônio genético, entre outros assuntos.

A PR2 está instituindo a Câmara Técnica de Ética em Pesquisa (CTEP), uma Câmara que assessorará a Pró-Reitoria e os PPG nessa questão. Mas essa é uma temática que precisa de todos nós, de cada um de nós, para ser enfrentada e discutida em nossa Universidade.

A Câmara Técnica de Ética em Pesquisa continua compromisso da UFRJ sobre pesquisa ética com seres humanos, desde 1996, quando instituiu os Comitês de Ética. Desde então,  toda e qualquer pesquisa, em qualquer área do conhecimento, envolvendo direta ou indiretamente seres humanos, tem que ser avaliada por um Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) antes de seu início. Os CEPs são colegiados independentes que têm por finalidade garantir que os participantes da pesquisa sejam adequadamente protegidos. Os Comitês de Ética cumprem a missão de zelar pela proteção aos sujeitos da pesquisa em nome da sociedade e de forma independente (múnus público) ao qualificar eticamente os projetos. Tornam-se, assim, co-responsáveis pela parte ética, juntamente com: o pesquisador (cuja responsabilidade é indelegável e intransferível), a instituição e o patrocinador, para assegurar o respeito aos direitos dos sujeitos de pesquisa.

Veja aqui o material informativo sobre a Câmara Técnica de Ética em Pesquisa slides_etica_em_pesquisa pdf

Avaliação dos relatórios anuais

MESTRADO

  1. Disciplinas, relatório e parecer: peso 6
  2. Nota da seleção: peso 2
  3. Participação em eventos: peso 0,5
  4. Publicações: peso 1,5

DOUTORADO

1º ANO
  1. Disciplinas, relatório e parecer: peso 6
  2. Nota seleção: peso 2
  3. Participação em eventos: peso 0,5
  4. Publicações: peso 1,5
2º ANO
  1. Disciplinas, relatório e parecer: peso 6
  2. Nota seleção: peso 1
  3. Participação em eventos: peso 0,5
  4. Publicações: peso 2,5
3º ANO
  1. Disciplinas, relatório e parecer: peso 7
  2. Nota seleção: Não conta
  3. Participação em eventos: peso 0,5
  4. Publicações: peso 2,5
4º ANO
  1. Disciplinas, relatório e parecer: peso 7
  2. Nota seleção: Não conta
  3. Participação em eventos: peso 0,5
  4. Publicações: peso 1,5

Perspectivas em História Moderna

early modern

Em um ciclo de conferências de periodicidade mensal, sediado pelo Programa de Pós-graduação em História Social da UFRJ, professores e pesquisadores especialistas em História Moderna serão convidados não apenas a expor os meandros e os resultados de suas mais recentes pesquisas, mas sobretudo a explorar nelas os aspectos que lhes pareçam especialmente relevantes para uma reflexão mais transversal a respeito das transformações e dinâmicas fundadoras da modernidade. Tais aspectos, podendo incluir desde debates historiográficos e campos de investigação variados, vias de diálogo com outras ciências, ou mesmo metodologias e tipos de documentos utilizados, poderão dar uma amostra progressiva da riqueza e da importância dos estudos sobre a época moderna, a partir principalmente de um panorama do seu desenvolvimento recente nas instituições de ensino e de pesquisa brasileiras, mas também de algumas interfaces ou alternativas trazidas pela contribuição de convidados estrangeiros. Sua realização conta igualmente com o apoio da H_Moderna: Rede Brasileira de Estudos em História Moderna.

Funcionamento do PPGHIS Pandemia COVID-19 (Novo Coronavírus)

A Reitoria da UFRJ suspendeu todas as aulas de graduação e pós-graduação da Universidade desde o dia 16 de março de 2020. O Consuni aprovou um novo calendário que permite o reinício da aulas remotas na pós graduação a partir de 3 de agosto. Veja o calendário completo. As turmas planejadas para 2020.1 estão mantidas, e terão início portanto na PRIMEIRA SEMANA DE AGOSTO. Contacte seus professores. Eles vão informá-los sobre os links para acesso as aulas, e a metodologia usada neste período emergencial. A coordenação do PPGHIS, junto com a direção do Instituto de História, tomou medidas para reduzir a exposição de seus alunos, professores e técnicos administrativos ao vírus, seja no ambiente de trabalho, como no transporte. O quadro é dinâmico e vamos alterar procedimentos na medida do necessário. O Programa funciona neste período emergencial, em termos de horário e atendimento, da seguinte forma:
  • O atendimento é exclusivamente remoto, e exclusivamente por email. Não há atendimento por telefone ou pessoalmente.
  • Todos os pedidos de declarações, certificados, devem ser feitos por email à secretaria. Não serão produzidos no mesmo dia. Não há exceções.
  • O prédio IH/IFCS está fechado ao público. Somente atividades inadiáveis, e com permissão da direção do IFCS e do IH podem ser realizadas. Isto significa entrar nas salas, recuperar material, ou qualquer coisa que signifique entrar fisicamente no prédio.
  • As bancas estão mantidas, utilizando sistemas remotos.
  • Mantenha-se informado pelo site da UFRJ dedicado à pandemia: https://coronavirus.ufrj.br/
Caso haja alterações neste quadro, informaremos a todos.